Blog

A MISSÃO DAS CONSTELAÇÕES ORGANIZACIONAIS NO BRASIL

21/03/2016

No Brasil, mais de 90 % das empresas são familiares.

 

A maioria das empresas nacionais não tem mais do que 100 anos e as mais antigas que hoje são consolidadas foram estruturadas basicamente a partir de famílias que vieram para o Brasil durante a colonização e precisaram inventar uma forma de sustento a partir de negócios que criaram a partir dos recursos, matéria prima e mão de obra que encontravam disponíveis no novo território.

 

A questão aqui é que, assim como acontece em todas as famílias, toda empresa familiar possui também falhas de comunicação, questões emocionais não claras, segredos,  dificuldades de objetividade em certos setores e questões (principalmente financeiro).

 

O que nos leva a inferir que 90% das empresas brasileiras escondem em algum nível dos seus sistemas, dinâmicas invisíveis com raízes em questões familiares, e que muitas vezes são a base da própria empresa.

 

A missão das Constelações Organizacionais no Brasil, diante deste cenário, foca-se em um papel de apoio estratégico aos empresários e gestores, no sentido de proporcionar a estes a observação destas dinâmicas e suas consequências presentes ou futuras em nível sistêmico, para a empresa como um todo.

 

 

 

Desta forma, com clareza e visão do todo, é possível discernir quais dinâmicas devem seguir seu fluxo e quais outras devem ser manejadas ou trabalhadas em nível familiar, afim de facilitar a prosperidade do negócio e o bom entrosamento de todos os funcionários e colaboradores, envolvendo principalmente os familiares que trabalhem neste mesmo ambiente empresarial.

Quem sai ganhando com isto não é só a empresa, mas a família, os clientes e os negócios da instituição como um todo, já que empresas familiares tendem a ficar focadas em seus problemas internos (que geralmente custam a se resolver) e muitas vezes deixam de relacionar-se apropriadamente com o mercado, com novas visões, oportunidades e participação mais ativa no cenário dos negócios por falta de profissionalismo e excesso de “familiarismo” em seu ambiente e em suas estratégias de trabalho.

 

Na maioria das empresas no Brasil os papéis confundem-se muito facilmente, pois geralmente aquele que, por exemplo, é o diretor da empresa, é em casa marido de sua colega de trabalho ou subordinada, assim como o gerente da mesma empresa tende a ser irmão de seu chefe, cunhado, sobrinho, filho e outros cargos institucionais que confundem-se nos limites empresa-família, causando problemas que tornam-se sistêmicos e confusos no nível institucional.

 

Temos incontáveis casos de problemas que tangem a lei da ordem e equilíbrio, e que são configurados geralmente em forma de conflitos entre funcionários e equipes e falta de clareza sobre os papéis e diretrizes de cada um no sistema e deste como um todo, dificuldades recorrentes de team-building, problemas com padrões de relacionamento cristalizados e recorrentes, além de casos de sucessão complexos, devido ao grande conteúdo emocional que trazem de forma invisível.

 

Temos em nossa cultura brasileira exatamente a emocionalidade, o bom humor e o temperamento amigável do povo como uma das maiores qualidades do país, mas o excesso de familiaridade nas relações institucionais prejudica o nosso sistema profissional e também político, pois aqui os relacionamentos geralmente estão posicionados acima das habilidades técnicas, do planejamento, da visão e dos propósitos das instituições e assim o empreendedor brasileiro, mesmo quando avança e vai bem nos negócios, não saber dizer exatamente para onde está indo ou onde quer chegar.

 

Trazer ao Brasil a consciência das dinâmicas organizacionais e seu funcionamento foi meu grande propósito quando fui estudar constelações sistêmicas em Portugal em 2007 e acredito que aqui as pessoas têm se beneficiado muito no sentido de fazerem funcionar verdadeiramente empresas em direção a um foco, a partir do desemaranhamento de suas empresas familiares e da possibilidade de repensarem seus sistemas empresariais não como uma emaranhado de relações, mas com visão clara, a partir da estratégia organizacional bem norteada e definida. Assim, ao invés de guiar a empresa na direção do sustento da família, estabelecer um sólido planejamento e processos profissionalizados e organizados, para que todos possam evoluir juntos, em colaboração, rumo a um objetivo de mercado que seja claro para todos os envolvidos, e quem sabe assim trazer às empresas um novo ingrediente que colabore com a solidez das empresas no Brasil, utilizando lições de negócios como são feitos em países centenários (onde também nasceram as Constelações Organizacionais) e os quais sobre as lições de engajamento familiar em torno do profissionalismo podemos aprender e nos beneficiar muito.

Please reload

Procure por tema:

DANIELE TEDESCO

CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS, INTUIÇÃO E ENERGIA HUMANA

Telefones: (51) 99167-5151 (48) 99977-9567